Mochilão América do Sul – Dia 7 – De La Paz à Isla del Sol


Era 07:00 hs quando acordei. Tinha acabado de chegar um casal de brasileiro no quarto. Conversei um pouco com eles, dei algumas dicas e aproveitei para tirar umas dúvidas, já que vinham do Peru. Na recepção do hostel, ao fazer o check-out, descobri que não aceitavam dólares. Eu não tinha dinheiro em bolivianos o suficiente para pagar minha conta. Também não faziam câmbio. O comércio ainda estava todo fechado e só abriria as 09:00 hs. O problema é que o ônibus que sairia para Copacabana partia as 08:00 hs da rodoviária, porque sabia que lá faziam câmbio, mesmo que com cotação mais baixa. Então tomei a decisão de ir até a rodoviária. Na porta do hostel, encontrei a Fran e o Fresh, eles partiriam para a rodoviária também. Dividimos um táxi, custou $5 Bs para cada um. Troquei $30,00 dólares por bolivianos e peguei mais um táxi até o hostel. Este custou $10 Bs. Paguei minha conta no hostel, peguei meu mochilão e mais um táxi até a rodoviária. Lá se foi maaais $10 Bs! Ou seja, gastei um monte em táxi só para não perder o ônibus. A passagem para Copacabana custou $50,00 Bs.
No ônibus conheci mais uma galera de BH (a economia deve estar forte por lá). Eram uns 7 caras, não tenho certeza. Vivem um em cada canto do Brasil, cada um com uma profissão totalmente diferente do outro. Creio que eram amigos do colegial. Os caras eram engraçadíssimos. Viajavam todos em pé no ônibus, porque já estavam a três dias viajando e dormindo em ônibus! Reclamavam de dor todo o tempo. Eram uns mochileiros “preguiçosos”, não fizeram um roteiro, resolveram contratar um guia lá pras bandas de Uyuni, e esse guia viajaria com eles o resto da viagem. Cada um tem sua preferência para viajar, mas eu não conseguiria seguir um guia por mais de duas horas de modo algum. Esse mineiros seguiriam para Copacabana, e no mesmo dia para Isla del Sol.
A paisagem de La Paz para Copacabana é linda, passando por El Alto e seguindo mais uma hora, chega-se no Lago Titicaca (lago navegável em maior altitude do mundo). Então a estrada vai contornando montanhas e segue sempre próxima as margens do lago. O azul do lago dá água na boa. Parece ser uma água deliciosa de beber. A inexistência de árvores nas montanhas próximas e a abundância de água do Titicaca tornam a paisagem incrível.
Ao chegar a Copacabana, uma pequena e movimentada cidade localizada junto as margens do Lago Titicaca, comprei o ticket do barco para a Isla el Sol. Paguei $15,00 Bs, o barco partiria a uma da tarde. Aproveitei que tinha uma hora mais ou menos, e fui fazer mais uma vez câmbio. Encontrei uma chola que oferecia uma boa cotação. Troquei mais $30,00 dólares.
Como a fome já estava grande, e desde o início da viagem eu sonhava em comer uma Truta saborosa as margens do Lago Titicaca, resolvi que era a hora certa! Os restaurantes me pareciam demasiado turísticos. Fui literalmente até na beirada do lago, onde tem umas barraquinhas de pescadores. Ali pedi para fazerem uma prato com Truta. A questão de higiene eu desconsiderei.
O chola preparou um prato delicioso com truta frita! Eu não tenho o hábito de fotografar minhas refeições durante as viagens, até mesmo pelo fato de geralmente serem “gororoba”. Mas esta vez eu fiz questão registrar! Custou só $15,00 Bs.
Depois do saboroso almoço, fui até o monumento em forma de âncora na beira do lago, para esperar o momento de embarcar rumo a Isla del Sol. Quando era próximo das 13:00 hs, surpreendentemente vejo chegando a Ignez! A moça que eu tinha conhecido lá em Santa Cruz de La Sierra e que tinha perdido contato em La Paz.
Estava acompanha da tal amiga da qual tinha comentado que encontraria quando tínhamos chegado a La Paz. As duas coincidentemente foram no mesmo barquinho que eu. E por falar em barco, caramba, que viagem cansativa até o norte da Isla do Sol. O sol estava muito forte, e eu como estava com a cara extremamente vermelha (sim, a queimadura de pele causada pelo reflexo dos raios solares piorou nos dias seguintes em que estive em La Paz, mesmo usando pomada e protetor solar, até pequenas bolhas deu!) não podia nem pensar em ficar no teto do barco curtindo a paisagem. Dentro os bancos eram desconfortáveis. Foram alguns cochilos até chegar ao pier do norte da Isla del Sol.
Ao chegar na ilha, fui recepcionado por um monte de criancinhas, que vinham indicar uma casa para a galera se hospedar.  Consegui negociar com uma criancinha um quarto para três pessoas com banheiro privado, por $30,00 Bs por pessoa. Arrumei dois argentinos para dividirem o quarto comigo. Como já era 16:00 hs mais ou menos, peguei a mochila de ataque e fui conhecer a ilha. Segui uma trilha onde se paga $10,00 Bs. Essa trilha passa por pontos importantes no norte da Isla del Sol. Eu segui junto com um grupo de gringos, e como guia, tínhamos uma criancinha dizendo o caminho e tentando explicar o que víamos. A ilha é realmente linda, há praias com areia branca banhadas pela água azul do lago. Em momentos você até esquece que está literalmente no meio do continente sulamericano! Passamos por plantações de coca, batata e quinoa.
Conheci também uma pedra quadrada com bancos de pedra em volta, chamada mesa de sacrifício. No final da trilha, chegamos em umas construções de pedra, que não entendi muito bem a função. Ali já estava acabado o dia. Todos os mochileiros que fizeram a trilha estavam ali sentados olhando para o horizonte esperando o sol se por. Fiz o mesmo. E que pôr do sol! Caramba! Eu não sabia se fotografava ou se curtia o momento. Um lindo pôr do sol, na Isla do Sol! Foi fantástico!
Retornando ao hostel, encontrei os argentinos companheiros de quarto. Estavam fazendo a trilha atrasados.
De volta ao pueblo, eu fui fazer umas compras. Numa quitandinha comprei: bolachas, 2 L de água e um rolo de papel higiênico. Voltei para o hostel na escuridão total.
Aproveitei para tomar um bom banho, e tirar uma foto da minha cara, vermelhíssima. Ao me ver no espelho fiquei desanimado. E na foto, fiquei com cara de cachorro molhado e vermelho. Se tem uma dica que posso dar, é: “use filtro solar”, é sério!
Depois do bom banho, fiquei escrevendo no diário.

Gastos do dia:
Táxi: $25,00 Bs
Passagem para Copacabana: $50,00 Bs
Almoço (Truta Frita): $15,00 Bs
Barco para Isla del Sol: $15,00 Bs
Casa onde me hospedei: $30,00 Bs
Ticket para fazer a trilha: $10,00 Bs
Propina para a criança guia: $3,00 Bs
Bolachas: $7,00 Bs
Água 2 L: $8,00 Bs
Rolo de papel higiênico: $2,00 Bs

blogger_blog:
www.mochilandosemfronteiras.com
blogger_author:
Glauco
blogger_permalink:
/2011/12/dia-7-la-paz-copacabana.html
blogger_internal:
/feeds/3390010519359174826/posts/default/3447417047112595706
geo_latitude:
-14.81749
geo_longitude:
-60.85157
geo_public:
1
geo_address:
Copacabana, Bolivia
custom_total_hits:
000000142

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *