O reflexo da leitura nas viagens

Sempre que me pedem para comentar sobre as viagens que fiz até então, há pessoas que se espantam com as histórias e me indagam com as seguintes perguntas:
– Você não tem medo?
– De onde tira inspiração para suas viagens?
– O que você procura, afinal?
A resposta que dou para essas perguntas segue sempre essa mesma linha de pensamento:
A minha busca pelas viagens anda lado a lado com minha busca pela liberdade. Se têm algo que acho importante nessa vida, é a procura pela liberdade. Quanto mais livre me sinto, mais sei que tenho a conquistar e a me desprender. O horizonte se expandindo aos meus olhos é um convite para seguir em frente.
Não é novidade que a cada viagem voltamos diferentes. Mais cultos, tolerantes, sensíveis às diferenças culturais, menos preconceituosos, mais vivos e apaixonados pela natureza e pela vida. Todos esses ganhos provenientes das viagens tem seu teor de vício. O que nesse caso, é ótimo!
Chegar em casa após semanas de viagem é aconchegante, seguro e cômodo. Mas quanto tempo depois de chegar, vocês começam a planejar a próxima viagem? Se você demora, é porque tem que aprender a viajar melhor.
Percebem que toda essa necessidade de por os pés na estrada, não significa de fato uma busca por novas paisagens? A paisagem é só um dos elementos que nos instigam a viajar. E acredito que tem que ser assim.
Quando não estou viajando, procuro estar lendo algum livro nos horários vagos. Não tenho dúvida que é da literatura que ganho ainda mais vontade de viajar. Os livros de montanhismo, navegação, peregrinação, volta ao mundo, fazem com que eu me acostume aos possíveis riscos, aprenda métodos de organização de roteiro, crie meu próprio estilo de viagem, conheça um pouco mais de lugares, mesmo que sentado no sofá (que é mais inteligente que assistindo TV). Portanto, posso afirmar que a melhor maneira para viajar com mais desprendimento administrando as divergências que ocorrem, é criando o hábito da leitura. De verdade, aprendo a minimizar meus medos lendo sobre viagens de outras pessoas. Não importa a maneira que outras pessoas viajam, seja de carro, bike, ou veleiro. Os problemas sempre virão. E com eles a oportunidade de aprender algo. Então não adianta ficar pensando “e se acontecer…” porque alguma coisa errada sempre vai acontecer! O importante é se preparar para que não ocorram problemas, e quando ocorrer ter calma e sabedoria para solucioná-los. A leitura lhe proporciona uma vantagem que fotografia e vídeo, não. Instiga a imaginação! Aprender a elaborar roteiros mentalmente, imaginar os lugares através das descrições, é algo muito valioso para um viajante. Porque um viajante com o mínimo de experiência sabe que fotografia publicitária tem seu teor utópico. Por isso a leitura incita você a ter um outro olhar dos lugares que estará conhecendo. Algumas vezes a imagem clássica do destino escolhido nem mostra verdadeiramente a maior riqueza do local.
blogger_blog:
www.mochilandosemfronteiras.com
blogger_author:
Glauco
blogger_permalink:
/2014/01/o-reflexo-da-leitura-nas-viagens.html
blogger_internal:
/feeds/3390010519359174826/posts/default/4810989413507722467
custom_total_hits:
000000149

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *